Homem é assassinado a facadas em casa; corpo é encontrado coberto de sangue

 


Leo Espirito Santo, 60 anos, foi assassinado a facadas dentro da própria casa, na Rua Intanhaém, no bairro Módulo 06, setor Coabe, em Juína- MT. O crime aconteceu na noite de sexta-feira (05), mas o corpo só foi localizado neste sábado (06).

Um casal foi detido pela Polícia Civil, suspeito de cometer o crime.

De acordo com site Juína News, o investigador Jean Adriano afirmou que a polícia chegou ao local após receber uma ligação informando que havia um homem morto numa casa do bairro Módulo 06.

Os policiais checaram a informação e, pela janela, viram um cadáver coberto por sangue na sala da casa. Ao analisarem a cena do crime, os investigadores observaram que, provavelmente, a vítima começou a ser esfaqueada em dos quartos, tentou fugir, mas veio a óbito no cômodo seguinte.

A área foi isolada e a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) foi acionada para dar inícios aos trabalhos de investigação. O perito analisou o local e as condições em que o corpo foi encontrado.

Dentro da casa, os policiais encontram sinais de que houve o consumo de bebidas alcoólicas e uma faca foi encontrada próximo ao corpo.

A moto da vítima, que estava no quintal, não foi levada pelo assassino o que faz a linha de investigação descartar o latrocínio.

Os investigadores encontraram marcas de sangue na grama que fica aos fundos da casa, que podem ser da vítima.

Em seguida, o cadáver foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para exame de necropsia que deve aponta a causa clínica da morte. Até a publicação da reportagem nenhum parente procurou as autoridades para fazer o reconhecimento do corpo.

A Polícia Civil conseguiu localizar um casal que esteve na casa de Leo no mesmo dia do crime. Eles afirmam que foram ao local para comprar drogas com a vítima e depois foram embora.

Tempo depois a mulher disse que retornou à residência e viu Leo sendo esfaqueado por uma pessoa, que não conseguiu identificar. Com medo, segundo ela, correu e não acionou a polícia ou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência.

Eles foram encaminhados a Delegacia de Polícia Civil e devem ser ouvidos pelo delegado.

Fonte: Repórter MT