Homem é preso suspeito de matar, esquartejar e esconder corpo de amigo em mala e sacolas em Goiânia

 

Foto: Divulgação/Polícia Civil

À polícia, investigado disse que cometeu o crime durante uma discussão provocada pela vítima. Delegado afirma que criminoso usou faca, facão e marreta para desmembrar o corpo do colega.


Foto: Divulgação/Polícia Civil

Um homem foi preso pela suspeita de ter matado, esquartejado e escondido o corpo de um amigo dentro de uma mala e de sacos de lixo em Goiânia. Conforme a Polícia Civil, o investigado confessou que cometeu o crime durante uma discussão provocada pela vítima. Ele disse ainda que usou uma faca, um facão e uma marreta para desmembrar o corpo do amigo.

Não conseguimos localizar a defesa do suspeito, que não teve o nome divulgado. Segundo a Polícia Civil, ele não apresentou advogado até esta quinta-feira (4).

Venilson Rodrigues dos Reis foi assassinado em 20 de maio de 2018, na pensão onde os dois amigos moravam juntos, no Setor Leste Universitário, em Goiânia.

Após o crime, o investigado fugiu para Marianópolis, em Tocantins, onde foi localizado e detido pela Polícia Civil na última terça-feira (2). No dia seguinte à prisão, o homem foi transferido para a capital goiana, onde segue detido.

De acordo com o delegado Rhaniel Almeida, que investiga o crime, o corpo de Venilson foi encontrado esquartejado dentro de duas sacolas plásticas e uma mala, no banheiro da pensão em que ele morava junto com o suspeito.

Segundo o depoimento do investigado à polícia, Venilson ficou com ciúmes da relação da companheira com o amigo e iniciou uma discussão. Durante a briga, ele foi esfaqueado e morreu.

"Não temos notícia desse suposto envolvimento [da companheira da vítima com o suspeito]. De acordo com o suspeito, não havia nada. A vítima teria ficado alterada pelo uso de drogas e vindo com essa conversa", disse o delegado.

Após matar o amigo, o investigado dividiu o corpo dele em partes. "Ele confessou ambos os crimes, tanto o homicídio quanto a destruição e ocultação de cadáver", disse.

Segundo o delegado, o suspeito deve responder por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Se condenado, ele pode pegar até 33 anos de prisão.

Fonte: G1