Mãe de DJ que morreu com Covid-19 achava que risco da doença era 'mídia', até perder o filho: 'Levou um pedacinho de mim

                                      

Duas semanas após perder o filho de 28 anos para a Covid-19, Cleuzita Gomes falou sobre o peso de ver o DJ Ângelo Gomes Júnior, de 28 anos, ser tão gravemente afetado pela doença mesmo sem outras comorbidades preexistentes. Moradora de Mineiros, no sudoeste de Goiás, a aposentada disse que o jovem piorou muito rápido.

“Eu via reportagens de hospitais lotados, via os carros levando corpos para serem sepultados e pensava que era mídia. Sei que a enfermidade existe porque ela bateu na minha porta e levou um pedacinho de mim”, desabafou, desolada.

Ângelo, que fazia shows pelo país, foi hospitalizado no dia 11 de fevereiro e levado para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mesmo dia em que recebeu o diagnóstico da doença. Dez dias depois, no dia 21 do mesmo mês, ele não resistiu.


Covid-19 em jovens

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), a maioria dos casos de Covid-19 em Goiás é de pessoas com idades entre 30 e 39 anos - são mais de 97,5 mil dos mais de 400 mil confirmados.

Dados da pasta também revelam que a faixa etária entre 20 e 29 é a segunda com maior número de infectados – mais de 84,1 mil pessoas.

A infectologista Ana Carolina Andrade explicou que a situação já havia sido vista em outros países e que é um reflexo do comportamento.

“O que se percebeu de mudança é a incidência muito maior em jovens. É o que se tinha percebido fora do país entre maio e agosto do ano passado – nos EUA e no Reino Unido. [...] Esses grupos estavam sendo responsáveis pela transmissão. Eram sim responsáveis por levar o vírus”, explicou.

A Superintendente de Vigilância em Saúde de Goiás, Flúvia Amorim, alertou que esses grupos têm se colocado mais expostos, por isso têm sido maioria entre os infectados.

“Era algo esperado porque eles estão se expondo mais. Quanto mais se expõe, maior a chance de se infectar, de ficar doente e precisar de um leito. Outra questão que pode estar interferindo nisso são as novas variantes. A gente ainda está avaliando como elas estão se comportando na nossa sociedade”, alertou.

A SES contabilizou que, até sábado (6), 412.281 pessoas contraíram do vírus e 8.903 morreram desde o início da pandemia em Goiás.

Com o avanço do vírus entre a população goiana, 19 hospitais da rede estadual de saúde registraram 100% de ocupação dos leitos de UTIs também no sábado.

Fonte: G1