Saiba o que é Síndrome de Haff, conhecida como ´Urina Preta´, doença causada pela ingestão de pescado contaminado


Foto: Reprodução

A doença é causada pela ingestão de pescado contaminado por uma toxina capaz de causar necrose muscular, ou seja, a degradação dos músculos. Outros sintomas da doença são decorrentes desse quadro. A síndrome está associada ao consumo de peixes como arabaiana, conhecido como olho de boi, e badejo.

A forma como o animal é contaminado pela toxina que provoca a doença, no entanto, não é consenso entre especialistas. Alguns infectologistas dizem que a toxina é gerada pelo mau acondicionamento do pescado, mas outros afirmam que a toxina vem de algas consumidas pelo animal.


Doença da urina preta: mulher que teve Síndrome de Haff após comer peixe morre depois de 13 dias em hospital no Recife

Foto: Reprodução/Instagram

Óbito ocorreu às 17h30 desta quarta-feira (3), segundo o Hospital Português. Ele teve morte cerebral, de acordo com a família. Priscyla Andrade, de 31 anos, estava internada desde o dia 18 de fevereiro, após um almoço em que comeu arabaiana.

A médica veterinária Cynthia Priscyla Andrade de Souza, de 31 anos, que contraiu a Síndrome de Haff, conhecida como "doença da urina preta", morreu às 17h30 desta quarta-feira (3), após 13 dias internada.

Ela estava no Hospital Português, no Recife, desde 18 de fevereiro, quando comeu peixe da espécie arabaiana em um almoço em família.

A família de Priscyla informou que ela teve morte cerebral. "Estão vendo se tem alguém compatível com ela para receber doação [dos órgãos]. Priscyla tem um coração de atleta", declarou Alyne Andrade, uma das irmãs dela.

"O hospital não tem autorização da família para falar sobre o caso", afirmou a assessoria da unidade de saúde, em nota para a imprensa.

A morte de Priscyla ocorreu um dia após a família postar homenagens e despedidas nas redes sociais. O velório e o enterro acontecem a partir das 16h da quinta-feira (4) no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife.

Foto: Reprodução/WhatsApp

O almoço onde a médica veterinária comeu o peixe arabaiana aconteceu no dia 18 de fevereiro, na casa de uma de suas irmãs, a empresária Flávia Andrade.  Flávia contou ter visto a irmã sentir muitas dores musculares após o consumo do peixe.

"Minha irmã, quatro horas depois [do almoço], disse que o corpo estava diferente, que estava sentindo uma coisa estranha e começou a se apavorar. A musculatura foi travando. Não é que ela tenha ficado paralisada, ela não conseguia se mexer de tanta dor”, contou a empresária em entrevista no dia 25 de fevereiro

Priscyla foi socorrida em um primeiro hospital, mas não recebeu o diagnóstico da Síndrome. Em um segundo hospital, ela foi internada.

Dias depois, ao voltar na unidade de saúde para visitar a irmã, Flávia contou ter descoberto que os sintomas eram de Síndrome de Haff depois de ter conversado com um médico. O profissional, segundo a empresária, comentou sobre um outro paciente que tinha desenvolvido os mesmos sintomas de Priscyla após comer o peixe arabaiana.


Rádio Amplitude Web
Com Informações: G1