Brasil cai mais uma vez no ranking mundial que mede a liberdade de imprensa

 


O Brasil caiu, pelo terceiro ano seguido, no ranking mundial que mede a liberdade de imprensa.

De acordo com a organização Repórteres Sem Fronteira, o nosso país agora está na posição de número 111 entre 180 nações analisadas – em 2019 já havíamos caído da posição de número 102 para a de número 105 e, no ano passado, para a posição de número 107. Agora, figuramos na posição de número 111.

A entidade descreve o ambiente de trabalho dos jornalistas no Brasil como tóxico desde que o presidente Jair Bolsonaro assumiu o poder, em 2019.

Em trecho, a ONG afirma: “Insultos, estigmatização e orquestração de humilhações públicas de jornalistas se tornaram a marca registrada do presidente, sua família e sua entourage”.

A organização ainda argumenta que os ataques ficaram mais intensos com a pandemia de coronavírus, que o presidente dissemina informações falsas e acusa a imprensa de ser a responsável pelo “caos no país”.

Na ponta de cima do ranking, organização Repórteres Sem Fronteira traz os países com melhor colocação em relação à liberdade de imprensa e de expressão: a Noruega lidera, seguida da Finlândia.