PM é suspeito de estuprar adolescente em escada de hotel, em Caldas Novas

 

Foto: Ilustrativo

No local, a polícia encontrou sangue, assim como nas roupas da menina e do policial. Após conseguir um alvará de soltura provisório, suspeito foi solto e responde pelo crime em liberdade.


Um policial militar foi preso em flagrante suspeito de estuprar uma adolescente de 17 anos em uma escada de um hotel em Caldas Novas, no sul goiano. No local do crime, a polícia encontrou sangue, assim como nas roupas da menina e do policial. Após conseguir um alvará de soltura provisório, ele foi solto e responde pelo crime em liberdade.

A equipe de reportagem não conseguiu localizar a defesa do policial militar para que se posicione. A TV Anhanguera solicitou um posicionamento para a Corregedoria Polícia Militar, mas não obteve resposta até esta publicação.

O caso aconteceu no domingo (4). Segundo o boletim de ocorrências da PM, o policial e a menor estavam hospedados no mesmo hotel. A vítima disse aos policiais que eles estavam hospedados no mesmo hotel e se conheceram na piscina. Mais tarde, ele mandou mensagem para ela por um aplicativo falando para ela ir até o quarto dele para se despedir, pois ele iria embora.

No trajeto até o quarto, a menina disse à polícia que foi surpreendida pelo suspeito na porta do elevador e foi arrastada para a escada de emergência do local. Ela afirmou à polícia que foi forçada a ter relações sexuais com o policial.

O pai da vítima encontrou a filha no local onde o crime aconteceu. Segundo ele disse em depoimento, ela estava chorando e eles pediram ajuda ao hotel para acionar a Polícia Militar. Após a ocorrência, a menina foi levada para a Unidade de Pronto Atendimento (Upa) da cidade com ferimentos nas partes íntimas.

Um exame de corpo de delito foi feito na adolescente e o policial foi preso em flagrante por estupro de menor. No entanto, na segunda-feira (5), foi expedido um alvará de soltura provisório e agora o PM aguarda a investigação em liberdade. Segundo a Polícia Civil o caso segue sendo investigado em segredo de Justiça.

Fonte: G1